Retenção de talentos

Em um mercado cada vez mais competitivo, é importante investir em equipes competentes e bem-estruturadas, já que todo o desempenho de uma empresa depende da situação de seus colaboradores. Por isso, a retenção de talentos vem se tornando uma prática comum nas organizações, com o objetivo de melhorar a qualidade da produção e das condições de trabalho dos colaboradores.

Porém, reter talentos requer toda uma reestruturação da cultura organizacional e dos processos da gestão de pessoas já que, no fim, a retenção de talentos precisa convencer bons colaboradores a permanecer nas empresas.

Pensando na importância dessa prática, vamos te explicar o que é a retenção de talentos, por que é bom investir e como fazê-lo. Mas antes, precisamos deixar claro o que é um talento. Vamos lá?

O que é um talento?

O conceito de talento pode variar de acordo com as visões de cada empresa, porém é possível formar um padrão:

Talentos são os colaboradores que se destacam no cenário empresarial, aqueles que dominam as competências técnicas exigidas, ao mesmo tempo que apresentam competências comportamentais valiosas, como liderança, atitude, resiliência, entre outras. Se destacam também por entregarem bons resultados, sempre alinhados com a missão da empresa, e inspiram e ajudam seus colegas de trabalho.

Ou seja, os talentos são colaboradores com experiência na organização em que atuam e, por serem familiarizados com os processos que a compõem, ganham espaço efetivo de fala e propriedade em assuntos importantes.

Ficou claro? Então agora podemos explicar o que é retenção de talentos e por que ela é tão importante. Continue lendo!

O que é retenção de talentos?

A retenção de talentos consiste na utilização de práticas, estratégias e políticas organizacionais, com o intuito de fazer com que um colaborador permaneça mais tempo na empresa por se sentir valorizado e/ou por desfrutar de boas condições de trabalho.

É muito importante deixar claro que, quando falamos de retenção de talentos, nem todos os colaboradores começam sendo talentos. Por exemplo: um colaborador pode ser esforçado e alinhado com os valores da empresa, porém não entregar bons resultados. No entanto, se os gestores da empresa julgam que ele tem potencial, podem aplicar um treinamento para que ele se torne um talento e, pela chance dada de melhorar, queira ficar na empresa.

Agora, quando nos referimos a um talento propriamente dito, a abordagem precisa ser um pouco diferente. Ele não precisa de treinamentos básicos, então para mantê-lo na empresa é possível lhe dar uma promoção, ou então colocá-lo em um cargo que se encaixe melhor com suas competências.

E-book gestão por competências

Ainda não está convencido da importância de reter talentos? Então confira alguns dos benefícios trazidos por essa prática!

Leia também  O que é e como fazer Gestão de Talentos?

Quais são os benefícios da retenção de talentos?

Acúmulo de capital intelectual

Um colaborador que está na sua empresa faz tempo adquire conhecimentos próprios em relação aos procedimentos institucionais. Pode passar despercebida, mas essa expertise melhora o desempenho dos processos e otimiza a produtividade.

Por isso é tão importante dar lugar de fala aos talentos. Eles conhecem a empresa de uma visão que os gestores não conhecem, e podem contribuir para a evolução de certos projetos e até mesmo em mudanças mais radicais, com foco no aumento do desempenho. Além disso, esse conhecimento é passado em frente aos colaboradores com que esse talento convive, formando uma rede de aprendizado constante dentro das equipes. Por isso, investir em retenção de talentos é investir no capital intelectual.

Engajamento e motivação

Um colaborador que é promovido se sente recompensado, enquanto um que passa por um treinamento se sente valorizado. Essa prática de deixar clara a importância que os colaboradores têm para a empresa gera engajamento, pois eles sabem que seu esforço é reconhecido e assim trabalharão mais e melhor, em uma relação de troca com a empresa.

E essa prática não deve se isolar a poucos casos. Até mesmo os colaboradores que não passam por um treinamento ou são promovidos, reconhecem a dedicação da empresa em valorizar seus colaboradores e se sentem inspirados com esse tipo de atitude. Assim, também se esforçarão em busca de reconhecimento e mais oportunidades de contribuir para a organização.

Maior competitividade de mercado

Como consequência de equipes mais integradas e produtivas, a empresa ganha competitividade no mercado, ou seja, passa a se destacar pela qualidade dos seus serviços.

Empresas que não conseguem acompanhar o ritmo do mercado atual tendem a ficar atrás, pois quando uma novidade surge, o melhor é incorporá-la o mais rápido possível. Essa necessidade de inovação constante é originada da acessibilidade ao conhecimento pelos meios digitais: qualquer um pode pesquisar e aprender sobre qualquer assunto em pouco tempo. Assim, convencer um cliente em potencial de que o seu produto é o melhor se tornou uma tarefa mais complicada.

Investimento ao invés de gastos

Pense nos custos de desligar um colaborador: seguro desemprego, propagandas para anúncio de vagas e todo o processo de uma nova contratação. Além disso, existem os gastos em tempo e, como já mencionamos, de capital intelectual.

Por isso, na maioria das vezes vale muito mais a pena investir em treinamentos ao invés de desligar colaboradores que precisam aperfeiçoar alguns aspectos, inclusive porque programas de treinamento e desenvolvimento (T&D) podem ser aplicados de forma integrada ao horário de trabalho (dependendo do tipo de treinamento aplicado) e o domínio de conhecimento do colaborador em questão só aumenta.

Leia também  O que é e como fazer Gestão de Talentos?

Diminuição do índice de rotatividade

O índice de rotatividade indica quantas pessoas estão saindo da empresa em determinado tempo e, quando está alto, é um mal sinal.

Se muitos colaboradores estão querendo deixar sua empresa, o ambiente de trabalho pode ser impróprio ou eles não se sentem valorizados. E se a gestão está desligando muitos colaboradores, pode não estar investindo em treinamentos ou contratando pessoas sem as competências exigidas para determinados cargos.

Esse índice é formado pelo cálculo do turnover, que coloca em perspectiva a porcentagem de colaboradores que continuam na empresa desde o início de um período a ser analisado. Quer saber mais sobre esse cálculo e como fazê-lo? Então confira nosso post sobre como calcular o turnover de uma empresa!

Retenção de talentos

Depois de conhecer tantos benefícios, você deve estar interessado em aplicar técnicas de retenção de talentos na sua empresa, não é mesmo? Então continue lendo, que vamos te explicar como fazê-lo!

Como reter talentos?

Para uma retenção de talentos efetiva, várias práticas precisam ser implantadas e a cultura empresarial deve ser alterada para possibilitar que os colaboradores queiram ficar. Ou seja, é uma mudança no modo que uma empresa enxerga as pessoas com quem trabalha.

Algumas das principais atitudes a tomar para reter talentos são:

Criar um ambiente de trabalho amigável

Para que os colaboradores fiquem satisfeitos na empresa, a primeira coisa que não pode faltar é estrutura básica para trabalhar. Banheiros, computadores, cadeiras em todas as mesas, começando pelo essencial para que as funções de cada funcionário possam ser realizadas sem empecilhos.

Depois que o básico é garantido, você pode focar no conforto e estética. Ambientes mais acolhedores e decorados deixam os colaboradores dispostos a ficar ali por horas, ao invés de esperar ansiosamente o fim do expediente. Elementos como ar condicionado, paredes com cores animadoras, plantas, cortinas, coisas assim tornam o ambiente de trabalho em um lugar aconchegante.

Treinar ao invés de desligar

Como mencionamos anteriormente, desligar um colaborador que não está desempenhando bem suas funções é um ato impulsivo, que não necessariamente resolve o problema.

O ideal a fazer quando se deparar com um colaborador com baixo desempenho é analisar sua situação, propor uma conversa em busca da melhor solução e aplicar um programa de T&D para que ele aprenda o que não sabia e melhore o que não fazia bem.

Colaboradores valorizam as chances que lhe são dadas. Ao perceber o investimento colocado sobre eles, surge o sentimento de protagonismo na empresa. Assim, eles passam a se dedicar mais para dar retorno ao investimento em forma de produtividade e bons resultados. Além disso, os colaboradores que observam esse processo decorrer também se motivam, sabendo que podem confiar na empresa e que ali possuem chances de crescer.

Leia também  O que é e como fazer Gestão de Talentos?

E-book Como implantar práticas de treinamento e desenvolvimento na sua organização

Avaliações de desempenho

Lembre-se que, antes de aplicar qualquer método de treinamento, é muito importante direcionar um período de estudo da situação e do desempenho geral da empresa, assim como do rendimento de cada colaborador. Isso porque, sem essa análise, você corre o risco de investir nos treinamentos errados, que acabarão trazendo poucos resultados.

Para isso servem as avaliações de desempenho. Elas avaliam as competências dos colaboradores, fazendo um comparativo entre aquelas exigidas pelo cargo em que ocupam e as que eles realmente possuem, depois avaliam suas entregas, prazos e, dependendo da avaliação, das opiniões de seus colegas e gestores.

Essas avaliações são o indicador que guia a equipe de gestão de pessoas para qual atitude tomar no caso de cada colaborador: aplicar um treinamento, movê-lo para um cargo que se encaixe melhor com suas competências, ou até um inevitável desligamento.

O conceito de competências precisa estar bem claro quando falamos de avaliações de desempenho. Para saber mais, confira nosso post sobre competências organizacionais e tire suas dúvidas!

Cultura do feedback

Feedbacks não consistem apenas em repreensões e más notícias. É igualmente importante parabenizar os colaboradores por pequenas vitórias e comentar boas atitudes na empresa. Quando há transparência nas relações entre gestor e funcionário, o clima organizacional se torna mais leve e honesto.

A cultura do feedback é basicamente a normalização de feedbacks como parte importante da manutenção do desempenho empresarial, e não algo a temer.

Isso fica claro, por exemplo, em empresas que não costumam passar feedbacks aos colaboradores, pois eles trabalham às cegas, sem saber se estão realizando suas funções do jeito certo. Além disso, quando algum processo falhar, não saberão o que fizeram errado e como melhorar. O monitoramento do trabalho dos colaboradores é importante não apenas para o rendimento da empresa, como também para o desempenho individual de cada um. É por isso, inclusive, que feedbacks são importantes na aplicação de avaliações de desempenho.

Percebe como a retenção de talentos afeta positivamente toda a empresa? Porém, esta é apenas uma parte da gestão de talentos, um processo que preza pela identificação, criação e monitoramento de colaboradores que melhoram todo o cenário organizacional. Para conhecer mais sobre esse importante processo, visite nosso post sobre o assunto!Gestão de talentos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *