Plano de desenvolvimento individual (PDI)

Investir na capacitação das equipes traz benefícios para todos os envolvidos: colaboradores, empresa e clientes. Porém, cada capacitação depende dos métodos de análise e de aplicação de treinamentos. Então, qual diferencial o uso de um plano de desenvolvimento individual (PDI) traz? Vale a pena aplicar?

Pensando nas particularidades do plano de desenvolvimento individual e suas aplicações na capacitação de equipes, vamos falar sobre os principais conceitos e impactos desse método na sua empresa! Acompanhe!

O que é o plano de desenvolvimento individual (PDI)?

Um plano de desenvolvimento individual (PDI) nada mais é do que um roteiro que tem o intuito de estimular e monitorar o processo de evolução de um colaborador como profissional e indivíduo, focando em um objetivo específico.

Originalmente os PDIs eram criador pelos colaboradores em um processo individual. Atualmente, no entanto, os PDIs são usados pelas equipes de RH para fazer a gestão de pessoas.

Por meio da implantação de PDIs, a empresa pode alinhar as aspirações de carreira dos colaboradores com as necessidades de negócio. Desse modo, ambos são beneficiados: o colaborador cresce como profissional e pessoa, enquanto a organização capacita a equipe e melhora o seu desempenho.

Está planejando implantar o uso de PDIs na sua empresa, porém não sabe como começar? Não se preocupe, neste texto vamos te explicar o passo a passo! Confira:

4 passos para montar um plano de desenvolvimento individual

Ao implantar o uso dos planos de desenvolvimento individual na gestão de pessoas, a empresa tem o importante papel de atuar como mentora de seus colaboradores, guiando e aconselhando-os durante o processo. Os gestores, junto com a equipe de RH, devem explicar a função do PDI, analisar os perfis, orientar as equipes e sempre acompanhar o processo. Continue lendo que vamos falar sobre cada passo!

1 – Alinhamento inicial e definição de objetivos

Durante a implantação dos planos de desenvolvimento individuais, um bom ponto de partida é promover uma reunião com os colaboradores da empresa para apresentar o funcionamento do plano de desenvolvimento individual, para que tudo ocorra sem problemas.

Outras práticas como abrir um espaço para dúvidas, mencionar competências valiosas que a equipe pode incluir como meta em seu PDI, entre outras, ajudam a otimizar o processo.

É comum que as empresas disponibilizem uma ferramenta própria para criar o plano de desenvolvimento individual, pois facilita o acesso dos gestores aos planos e simplifica o processo de criação do PDI dos colaboradores que não são familiarizados com o conceito.

2 – Análise

Passada a época de alinhamento e com todos os PDIs entregues, a equipe de RH e os gestores das equipes se reúnem para analisar plano por plano.

Durante a análise, algumas perguntas devem ser respondidas, como:

  • É possível alinhar o objetivo deste colaborador com a atual necessidade da empresa?
  • Qual a melhor forma de direcionar este colaborador a alcançar seu objetivo?
  • Quais colaboradores estão aptos a crescer na empresa de acordo com suas aspirações de carreira?

Com essas respostas em mãos, é possível encaminhar os colaboradores aos treinamentos adequados, nosso próximo passo. Vamos lá?

3 – Direcionamento

Agora começa a capacitação propriamente dita. De acordo com as aspirações do colaborador em questão, o gestor passa a guiá-lo, recomendando cargos que possam interessar e como ele pode se qualificar para preenchê-lo, por exemplo.

O gestor também deve orientar o colaborador a dar prioridade a algumas competências que exigem mais tempo e foco ou que trarão resultados rápidos. É recomendável fazer essa seleção, pois os planos podem ser de curto, médio, e longo prazo, durando de três meses a um ano.

Esta é a etapa mais importante de todo o processo, e inclui alguns conceitos que não podem faltar durante a aplicação dos planos de desenvolvimento individuais, sendo eles:

Metas e prazos

As metas servirão para manter o colaborador ativo durante a execução do plano. Como é um processo longo, o ideal é que essas metas sejam incorporadas no dia a dia da empresa, para que não haja perda de tempo produtivo.

As metas, junto com os prazos, compõem os indicadores de desempenho. Assim, é possível mostrar quantas metas foram cumpridas no tempo definido ou com atraso, indicando a aprendizagem e eficiência do colaborador.

Essa composição fica evidente, por exemplo, ao medir o desempenho de um colaborador que vai passar por uma trilha de aprendizagem. Digamos que a meta dele era completar 75% do treinamento em uma semana, e ele completou apenas 50% nesse período estipulado. No caso, ele não cumpriu a meta, então seu desempenho está abaixo do ideal.

Desafios

Pequenas tarefas com prazos curtos, competições entre a equipe e outras atividades são úteis para incentivar os colaboradores a melhorar e a desenvolver habilidades como adaptação e inteligência emocional sob pressão. Porém, é importante ter o cuidado de não gerar sobrecarga, já que além de causar insatisfação, isso pode deixar o colaborador exausto e atrapalhar o processo de capacitação.

Antes da implantação de qualquer método de treinamento, é importante planejar as abordagens e estratégias usadas com antecedência. Precisa saber mais sobre o assunto? Então não deixe de ler nosso texto de plano de treinamento e desenvolvimento!

4 – Acompanhamento

Como você pode ver, o monitoramento do desempenho dos colaboradores — feito pelos gestores — durante o processo é muito importante; apenas dizer o que o colaborador deve fazer não é o bastante. O acompanhamento deve ser constante, para montar um registro do aumento do desempenho do funcionário.

Sua performance em determinada função melhorou? Ele está cumprindo as metas estabelecidas? Essas e outras questões devem ser respondidas em relação ao desempenho do colaborador.

Metas e objetivos - plano de desenvolvimento individual

No entanto, você deve também ficar atento aos benefícios que a implantação do plano de desenvolvimento está trazendo, para saber se o custo-benefício é bom. Alguns desses benefícios são:

Os benefícios de executar um plano de desenvolvimento individual

Retenção de talentos

Possibilitar o crescimento pessoal de um colaborador gera gratidão e engajamento, a pessoa na qual você investiu tempo e dinheiro se sentirá valorizada e vai querer ficar na empresa.

Assim, a organização retém mais e mais colaboradores capacitados e que se destacam, agregando valor e aumentando a qualidade das entregas, além de diminuir a rotatividade.

Quer entender mais sobre como encontrar, monitorar e reter os talentos na sua empresa? Se sim, confira nosso texto sobre gestão de talentos!

Autoconhecimento

Logo na criação do plano de desenvolvimento individual, o colaborador precisa refletir sobre seus pontos fortes e pontos de melhoria. Não só isso, durante todo o processo de execução do plano ele precisa fazer uma autoanálise do seu desempenho.

Pessoas que entendem seus limites e qualidades são valiosas em uma empresa, pois ao invés de negarem ter defeitos para impressionar a equipe de RH, sabem em quais pontos precisam evoluir e vão trabalhar para isso. Empresas não procuram pessoas perfeitas, mas sim pessoas dispostas a melhorar.

Destaque no mercado

Com a implantação dos planos de desenvolvimento individuais, os colaboradores não adquirem apenas as competências técnicas exigidas por suas funções, mas também soft skills como confiança, atitude, liderança, entre outras muito valorizadas no mercado de trabalho. Isso ocorre porque, ao analisar os PDIs, os gestores podem prever quais treinamentos mais estimulam as competências comportamentais de um colaborador.

Ter uma equipe com esse tipo de competência traz vários benefícios, como o significativo aumento do desempenho da empresa e crescimento da competitividade em relação à forte concorrência do mercado. Assim, para formar um colaborador capaz de lidar com a competitividade do mercado, é importante ter em mente, durante todo o processo de aplicação, maneiras de adequar o perfil do colaborador à empresa e vice-versa, para que ambos se beneficiem com sua permanência.

Aumento da motivação

Os colaboradores capacitados terão mais facilidade em executar suas funções, o que lhes proporciona mais confiança e tranquilidade, ajudando na formação de um clima organizacional melhor.

Além de aumentarem seu próprio desempenho, esses colaboradores serão capazes de ajudar sua equipe, guiando-os por processos mais complicados, inspirando as pessoas ao redor e integrando novos colaboradores.

O uso de planos de desenvolvimento individuais é apenas mais um entre vários métodos de gestão de competências, uma prática muito importante na manutenção da saúde da empresa. Se você não sabe o suficiente sobre o assunto, não perca tempo e baixe nosso e-book sobre gestão de competências, com tudo que você precisa saber:

E-book Gestão por Competências: o que é e como implantar

Baixar material rico - Topo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *