Absenteísmo e rotatividade

No mundo empresarial existem dois fatores que indicam prováveis problemas na retenção de talentos: o absenteísmo e a rotatividade. Quando um desses indicadores estiver em alta, é sinal de que o departamento de recursos humanos deve ligar o sinal de alerta e procurar entender o que está causando esses problemas.

Mas o que é absenteísmo e rotatividade na prática? Como essas duas coisas estão relacionadas e como é possível agir para diminuir ambas? Se você quer resposta para essas perguntas, acompanhe!

O que é absenteísmo?

No contexto empresarial, absenteísmo é o índice que aponta a ausência de um colaborador do seu posto, seja por atraso, falta ou outros motivos pessoais.

Diferentes motivos podem gerar altos índices de absenteísmo entre colaboradores. Questões pessoais externas, problemas de relação humana entre membros da equipe, questões práticas da empresa. Tudo isso pode estar conduzindo sua equipe ao esgotamento. E, consequentemente, a desejarem se abster de suas funções.

A análise de absenteísmo visa justamente entender quais são as causas da ausência dos colaboradores, identificando padrões (como faltas reincidentes e atrasos repetitivos) para tentar entender qual o motivo desse afastamento.

Porém, identificar o motivo pelo qual o absenteísmo de colaboradores está alto pode ser difícil, afinal, há vários motivos possíveis. No entanto, é extremamente necessário para que absenteísmos não terminem em saídas constantes de funcionários, aumentando ainda mais os índices de rotatividade (que podem já estar altos).

Antes de você ver o que é rotatividade e qual sua relação com o absenteísmo, é importante conhecer a fórmula para cálculo de taxa de absenteísmo. Ela é bastante simples e pode te ajudar a perceber se seus índices estão bons ou ruins. Veja:

Primeiro é preciso calcular a carga horária líquida a ser realizada:

Carga horária líquida = nº de colaboradores x horas de trabalho por dia x total de dias trabalhados neste período

Depois basta pegar essa carga horária líquida (horas totais) e dividir pela quantidade de horas perdidas no mesmo período. Para obter a porcentagem multiplique por 100.

Absenteísmo = (horas perdidas / horas totais) x 100

Vamos dar um exemplo para você entender na prática. Digamos que uma empresa de segurança tenha 12 operadores de monitoramento trabalhando 8 horas por dia cada um, durante 22 dias do mês (num total de 2.112 horas ao fim do mês).

Agora considere que as horas perdidas por esses colaboradores (contando os atrasos de chegada, as saídas antecipadas e os dias de falta) somem 112 horas ao longo de um mês inteiro de trabalho. Nesse cenário, veja como fica a fórmula:

Absenteísmo =  (112 / 2112) x 100

O resultado da conta fica em 5,30%. Para verificar se o índice está abaixo, acima ou na média padrão do mercado, é possível comparar com os números de outras empresas e analisar o próprio histórico da sua empresa, para ver se esse índice está em declínio ou em crescimento.

E o que é rotatividade?

De modo simples podemos dizer que a rotatividade é o fluxo de colaboradores que entram e saem de uma empresa.

A alta rotatividade de profissionais é um mal sinal para a equipe, tanto quando os colaboradores pedem demissão (rotatividade ativa) quanto quando a empresa impõe o desligamento (rotatividade passiva). Enquanto a primeira revela que a empresa não consegue reter talentos, a segunda mostra que a empresa não está contratando colaboradores de acordo com as suas necessidades.

Uma forma bastante eficiente de medir os índices de rotatividade é através do indicador de turnover.

Para entender como calcular esse turnover, confira o post: Aprenda como calcular o turnover de uma empresa.

Absenteísmo e rotatividade: qual a relação?

A relação entre absenteísmo e rotatividade de funcionários está nas causas. Em geral, muitos dos motivos que levam ao absenteísmo levam também ao aumento de rotatividade de colaboradores.

Para te ajudar a identificar os possíveis efeitos que estão causando faltas, atrasos e até demissões em sua equipe, trouxemos 3 motivos muito comuns para aumentos de taxas de absenteísmo e rotatividade. Confira:

Pressão por metas inalcançáveis

Imagine que a meta de vendas de uma equipe é de R$ 100 mil reais ao mês – e alcançá-la é sempre uma tarefa muito árdua. De repente, de um mês para o outro, sem investir em marketing ou novos processos, a gestão define que a meta passará a ser de R$ 250 mil. O exemplo pode parecer grotesco – mas é o que acontece em muitos negócios.

Metas irreais, fora do contexto da empresa, geram uma sensação de frustração e pressão em todos os envolvidos um que foge do natural. Situações assim em geral levam funcionários a desanimarem de suas funções, colaborando diretamente para o aumento do absenteísmo.

Ausência de feedback

O ditado diz que “notícia ruim corre rápido” e no mundo corporativo também é assim. É importante que não apenas críticas negativas cheguem aos colaboradores, mas que feedbacks positivos também tenham espaço nas relações entre gestão e colaboradores.

O profissional que fica sem retorno, consequentemente fica sem esforço. Quando o colaborador não consegue sentir se está no caminho certo ou que pontos precisam de desenvolvimento, passa a “trabalhar por trabalhar” – e esse é o primeiro passo para um colaborador faltante e possivelmente desinteressado de continuar na empresa.

Falta de estrutura de trabalho

Sempre foi assim, mas com a humanização do trabalho e a robotização da tecnologia do Século XXI, cada vez mais colaboradores procuram por realização e não apenas por salários. Isso implica diretamente na necessidade de estruturas adequadas de trabalho (ambiente, equipamentos, rotinas, processos etc.).

Se o colaborador percebe que a empresa não está comprometida em oferecer as condições que sua prática implica, possivelmente se sentirá desmotivado. Um caminho possível é manter uma relação próxima com as equipes a fim de conhecer suas dores e entender que pontos podem ser trabalhados para evitar absenteísmo e um possível aumento de rotatividade.

4 dicas para diminuir o absenteísmo e evitar a rotatividade

O absenteísmo e a rotatividade geram diversos prejuízos: necessidades de novas contratações, atrasos no andamento de projetos, estagnação de processos que demandam alto engajamento etc. Sabendo disso, a função da gestão é tomar atitudes que ajudem a diminuir índices de faltas e desligamentos. Para você começar a praticar isso hoje mesmo, trouxemos 4 dicas para diminuir o absenteísmo e evitar a rotatividade. Confira!

1. Contrate com cautela

A melhor forma de evitar desligamentos desnecessários é tendo atenção às contratações. Questões socioemocionais, comportamento e habilidades técnicas devem ser verificados antes da contratação, justamente para evitar desligamentos desnecessários.

Outra dica muito importante é que o processo de contratação também não deve ser feito de maneira apressada – pode ser veloz, mas sem deixar para trás pontos fundamentais para uma admissão eficaz.

2. Desenvolva a liderança dos colaboradores

Funcionários que se sentem responsáveis por processos e projetos tendem a manter elos muito mais profundos com seus cargos e com a própria empresa. A melhor forma de ter bons líderes na sua equipe é treinando a liderança dos colaboradores que já vivenciam a filosofia da empresa.

3. Realize entrevistas de desligamento

Muitas vezes não é possível evitar um desligamento ou um pedido de demissão. Porém, é possível aproveitar esse momento para realizar uma entrevista de desligamento e entender os motivos do funcionário e seus sentimentos com relação à empresa. Dar voz ao colaborador quando ele já não faz mais parte da equipe pode gerar respostas transparentes e informações que ajudam em futuras tomadas de decisão.

4. Capacite seus colaboradores

Uma das principais frases do empreendedorismo é a máxima de que “é melhor treinar um colaborador e ele ir embora, do que não treiná-lo e ele ficar”. Colaboradores que estão em constante aprendizado promovido pela empresa sentem-se beneficiados pela corporação e aumentam seu nível de engajamento com a corporação.

Capacite seus colaboradores para diminuir absenteísmo e rotatividade

Oferecer treinamento e desenvolvimento para seus colaboradores é um passo certeiro para aumentar a permanência de colaboradores, diminuir a rotatividade e aumentar o engajamento. Hoje há maneiras muito dinâmicas de oferecer formação.
Quer ver como criar treinamentos e formações completas otimizando tempo, reduzindo custos e aumentando o acesso a todos os funcionários? Confira nosso material com tudo sobre treinamento e desenvolvimento. Boa leitura!

E-book Como implantar práticas de treinamento e desenvolvimento na sua organização

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *