Competências e habilidades: descubra as diferenças entre elas e como desenvolver na sua empresa

Receba nossas novidades
Newsletter

Habilidades comportamentais, competências comportamentais, habilidades técnicas… será que é tudo a mesma coisa? Precisamos desenvolver tanto uma como a outra? Bem, é comum utilizarmos essas palavras como sinônimos, mas elas não são. E no meio corporativo, é mega importante saber diferenciar as duas para desenvolver aquilo que é realmente necessário nos colaboradores.

Então se você quer descobrir quais as diferenças entre esses conceitos e principalmente, aprender a desenvolvê-los na sua empresa, leia este post até o final, você vai ter acesso a muito conteúdo útil!

Vamos lá?

O que é habilidade?

Habilidade é a capacidade de alguém de colocar um conhecimento em prática, é o “saber fazer” propriamente dito. As habilidades podem ser aprendidas, treinadas e desenvolvidas, independentemente de uma disposição natural ou dom.

Elas estão presentes na vida de todo ser humano, em diversas situações, como no aprendizado escolar, na vida doméstica e também no mundo do trabalho.

Por exemplo: habilidade de cozinhar bem.

O que são competências?

Não existe um único conceito de competência, afinal é uma questão bastante complexa. Porém, a teoria mais aceita é a do CHA. Essa teoria diz que as competências são os conhecimentos, habilidades e atitudes (CHA) que tornam uma pessoa capaz de exercer determinada função ou cargo.

Conhecimentos, habilidades e atitudes (CHA)

As competências são muito utilizadas dentro do universo corporativo, para se referir a posições e papéis de colaboradores em uma organização, pois são elas que determinam se alguém está apto para desempenhar determinada atividade. Elas também podem ser desenvolvidas treinadas e adquiridas, sem necessidade de se ter um “dom” para aquilo.

É muito comum que as empresas criem estratégias para desenvolver nos colaboradores as competências que julgam necessárias para o sucesso do seu negócio.

Tipos de competências

Existem três tipos de competências: técnicas, comportamentais e organizacionais, vamos explicar cada uma delas ao longo deste tópico. Confira:

Tipos de competências técnicas e comportamentais

Competências técnicas:

São os conhecimentos e habilidades que um profissional adquire por meio da educação formal ou informal, em cursos, experiências prévias, palestras etc.

É a parte básica para que uma pessoa seja capaz de exercer uma função na empresa. Os colaboradores podem ter competências técnicas nos níveis elementar, básico, fundamental, sólido e profundo.

Alguns exemplos: habilidade com informática, conhecimentos em marketing digital e business intelligence, saber falar outros idiomas, dominar técnicas de vendas.

Competências comportamentais:

São as atitudes, comportamentos e a postura do profissional, que o ajuda a pôr em prática suas habilidades e conhecimentos, assim ele consegue exercer seu cargo com profissionalismo.

Alguns exemplos: ética, flexibilidade, criatividade, liderança e comunicação.

Se quiser descobrir quais são as competências comportamentais mais valorizadas pelas empresas, leia nosso post!

Competências organizacionais:

Conhecimentos, habilidades e atitudes que tornam uma organização única no mercado. São competências que definem o perfil da empresa e impactam no sucesso do negócio.

Para entender mais sobre esse assunto, você pode consultar nosso texto completo sobre competências organizacionais.

Ok, mesmo depois de ler tudo isso, você ainda pode estar se perguntando: afinal, qual a diferença entre habilidade e competência? Nós respondemos!

Diferença entre competências e habilidades

Muitas pessoas utilizam habilidade e competência como sinônimos, mas isso não está totalmente correto. Embora sejam conceitos próximos, são diferentes.

Como já dissemos, a habilidade é o saber fazer, e por isso, está inserida na parte técnica das competências. Ou seja, habilidade é um tipo de competência técnica, ainda que não a única. Aí entra também o conhecimento teórico.

Diferença entre competência e habilidade

Por isso quando nos referimos as competências, no geral, já estamos incluindo as habilidades.

Para explicar melhor, vamos a um exemplo:

Pense em um professor que tem uma capacidade de síntese muito boa, ele consegue explicar a matéria de forma clara e envolvente para os alunos. Isso é habilidade, é didática. É a parte técnica das competências necessárias para a função dele.

No entanto, para ele ser um bom profissional, para que consiga realmente exercer sua função como professor, precisa de mais do que didática.

Ele precisa ter domínio do assunto, utilizar uma metodologia de ensino, ser empático e pontual. Isso tudo são competências, ou seja, habilidades, atitudes e conhecimentos que formam o cargo de professor.

Ficou mais claro? Bem, depois de entender as diferenças entre esses conceitos e que um faz parte do outro, vamos falar mais sobre a importância do desenvolvimento de competências e como isso contribui para o sucesso do negócio. Olha só:

A importância de desenvolver competências nos colaboradores

O desenvolvimento de competências dentro das empresas é algo essencial para que os colaboradores estejam alinhados às expectativas de suas funções e da organização. Vamos listar algumas das formas pelas quais o desenvolvimento de competências é vantajoso. Siga a leitura!

Desenvolve bons profissionais

No processo de recrutamento e seleção, a expectativa da empresa é encontrar profissionais plenamente capacitados e competentes. No entanto, nem sempre isso acontece, por isso a solução é desenvolver os profissionais nas competências que a empresa julga relevantes.

Com o desenvolvimento de competências, os líderes garantem que o profissional adquira as habilidades, conhecimentos e atitudes específicas para a sua função e para a estratégia do negócio. Além de ser uma maneira de incentivar o colaborador, através do investimento na carreira dele.

Ajuda a reter talentos

Desenvolver competências nos colaboradores, quer sejam comportamentais ou técnicas, faz o colaborador se sentir valorizado pela empresa e ter uma boa experiência na organização. Isso aumenta as chances de ele se manter trabalhando na empresa, o que diminui o turnover do negócio.

Garante a qualidade do trabalho

Outra vantagem do desenvolvimento de competências é o aumento na qualidade do trabalho. Comentamos, que para ser um profissional completo, a pessoa precisa ter habilidades, conhecimentos e atitudes adequadas. Nesse sentido, desenvolver esses três pilares contribui para entregas com mais qualidade, mais rápidas e uma boa convivência entre as equipes.

E aí, convencido que desenvolver competências precisa ser uma prioridade na sua empresa? Se sim, preparamos um passo a passo para você fazer isso de forma descomplicada. É só ler o próximo tópico!

Como desenvolver competências no meio corporativo?

O desenvolvimento de competências passa por 4 fases, são elas:

Como desenvolver competências no meio corporativo

1. Identificação das competências

Essa é a fase do mapeamento de competências, na qual você precisa identificar as necessidades e deficiências da empresa com relação as competências. Depois, é necessário analisar cada colaborador e mapear as competências que eles já possuem e quais precisam ser desenvolvidas para exercerem determinado cargo na organização.

2. Planejamento

Nesse momento você vai planejar e desenhar como se dará o desenvolvimento das competências, de acordo com as necessidades de cada público mapeado. Aqui você vai registrar quem vai ser desenvolvido, de que maneira, em qual momento, onde, por quem e quanto tempo essa iniciativa vai durar.

Dessa forma, você estará estruturando um programa de desenvolvimento de competências. Eles podem ser de 4 tipos:

Integração:

É o desenvolvimento de competências inicial, quando o colaborador entra na empresa. Esse tipo de programa é chamado de integração ou onboarding e tem como objetivo apresentar ao novo colaborador toda a estrutura da empresa, os processos, a equipe e as competências que precisa ter para exercer sua função no dia a dia.

Formação:

Focado nos colaboradores que ainda não têm capacidade para exercer determinada função com autonomia. Geralmente é mais focado em competências técnicas, através de cursos, materiais educativos e workshops.

Aperfeiçoamento:

É voltado a todos os colaboradores da empresa, focado em melhorar a eficiência e produtividade das equipes, trazendo ganhos no desempenho do trabalho.

Desenvolvimento:

Esse tipo de programa busca preparar o colaborador para uma possível promoção e assunção de um novo cargo.

3. Execução

Agora é a hora de colocar em prática as ações que foram planejadas na etapa anterior, com a direção e acompanhamento da gestão de pessoas, dos gestores e líderes de área. Esse programa pode ser executado tanto presencialmente quanto remotamente, através de uma plataforma de T&D, com palestras, workshops, atividades, cursos e gamificação.

4. Avaliação dos resultados

Finalmente, você precisa medir os resultados dessas ações para verificar se ela teve o retorno que se esperava, e descobrir a percepção dos participantes sobre o programa de desenvolvimento de competências. Nesse momento, você precisa avaliar o ROI da iniciativa, o aumento ou não da produtividade do colaborador e qualidade do seu trabalho.

Para saber mais sobre desenvolvimento de competências, acesse o nosso post!

Gostou de saber mais sobre competências e habilidades? Se não quiser perder nenhuma notícia sobre esse tópico e outros assuntos do mundo de gestão de pessoas, assine nossa newsletter!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comentários
Show Buttons
Share On Facebook
Share On Twitter
Share On Linkedin
Contact us
Hide Buttons