Como montar um treinamento em 6 passos + dicas

Receba nossas novidades
Newsletter
como montar um treinamento

A importância dos treinamentos empresariais é indiscutível, sejam eles para desenvolver lideranças, melhorar competências ou desenvolver novas habilidades. O problema é que, depois de perceber essa importância, muitos profissionais de RH se veem perdidos e não sabem como montar um treinamento. Se você quer implementar treinamentos na sua empresa mas não sabe bem como fazer isso, esse post é para você!

Vamos te ajudar a montar seus primeiros treinamentos com um passo a passo infalível! No final, ainda deixamos algumas dicas para dar aquele toque especial no programa de treinamento. Siga a leitura para conferir!

Como montar um treinamento em 6 passos

1. Identifique as necessidades de treinamento

Não é possível criar bons treinamentos se você não souber quais são as necessidades de aprendizado das equipes. Sem mapear as necessidades de treinamento, você não terá um norte na criação de conteúdo. Logo, o treinamento pode não agregar conhecimento útil para o perfil dos colaboradores ou pode ser sobre temas que eles já dominam ou que estão desalinhados com a estratégia da empresa.

É por isso que, antes de qualquer coisa, é preciso identificar as necessidades de treinamento. Você pode fazer um LNT (levantamento de necessidades de treinamento) para descobrir os gaps de competência presentes entre os colaboradores. Gaps de competência são habilidades que um colaborador deveria ter para realizar uma atividade, mas não tem ou até tem, mas não no nível que a organização necessita.

Identificando esses pontos a serem melhorados, você já pode estabelecer um objetivo mais claro para o treinamento.

2. Entenda o público-alvo

O segundo passo para montar seu treinamento é entender para quem ele será direcionado. Saber qual é o público-alvo vai te ajudar a definir a estratégia, o formato do treinamento, a linguagem utilizada, a duração do treinamento, as técnicas e ferramentas e até o conteúdo. Tudo depende do tipo de pessoa que você deseja desenvolver.

Lembre-se: é importante manter os colaboradores engajados no treinamento. Por isso, na hora de criar as aulas, tenha sempre em mente que elas precisam ser interessantes para o público-alvo. As pessoas se interessam em desenvolver novas competências, desde que seja o impacto no dia a dia delas. Se você não demonstrar os benefícios que o público-alvo terá com o desenvolvimento, será mais difícil alcançar o comprometimento das pessoas.

3. Defina a estratégia para o treinamento

Com tudo planejado, você pode criar o conteúdo dos treinamentos. Alguns pontos merecem atenção especial nessa etapa: primeiro, você deve decidir se produzirá conteúdo internamente, se vai adquirir material de terceiros ou se vai mesclar os dois tipos.

No caso de treinamentos presenciais, é preciso decidir se haverá a contratação de um profissional externo para ministrar os treinamentos ou se os responsáveis serão pessoas da sua empresa. No caso de treinamentos virtuais, você pode optar por adquirir cursos prontos de terceiros ou cria-los internamente.

Em geral, se não há nenhum profissional interno com know-how adequado para ensinar determinado assunto, pode ser interessante buscar esse conhecimento fora da empresa.

Você também precisa definir o formato do treinamento. Será uma palestra? Um workshop? No caso de treinamentos virtuais, serão videoaulas? Podcasts? E-books?

Lembre-se que não é necessário limitar-se apenas a um único formato: você pode e deve utilizar vários recursos de aprendizado. Isso torna os treinamentos mais variados, dinâmicos e menos cansativos para o colaborador. Além disso, os diferentes formatos serão benéficos para os diferentes estilos de aprendizagem dos seus colaboradores.

4. Planeje o conteúdo

Você sabia que, em média, os colaboradores despendem apenas cerca de 1% do tempo para aquisição de novos conhecimentos? Essa falta de disponibilidade torna imprescindível dividir o conteúdo em partes. Assim, o treinamento deixa de ser uma aula enorme e passa a ser uma série de pequenos conhecimentos.

Para deixar tudo isso organizado você pode utilizar trilhas de aprendizagem:

trilha de conhecimento

Trilhas de aprendizagem são o sequenciamento de conteúdo em uma ordem lógica de construção do conhecimento. Imagine que um treinamento se inicia com uma aula sobre um assunto introdutório, em seguida um vídeo explicativo mais aprofundado, depois uma dinâmica relacionada ao tema e, por fim, um teste. Essa sequência nada mais é do que uma trilha de aprendizagem.

Você pode sequenciar seus treinamentos facilmente. Há plataformas de treinamento com recursos específicos para criar trilhas de aprendizagem, vale a pena conhecer mais sobre.

5. Escolha as ferramentas

Depois de pensar e organizar os conteúdos, é hora de preparar os materiais e ferramentas que você precisa para executar o treinamento. As ferramentas necessárias variam conforme o tipo de treinamento que você deseja aplicar. Se haverá dinâmicas práticas, por exemplo, é preciso providenciar os materiais necessários para realizar a dinâmica. Se haverá treinamentos virtuais, é preciso uma plataforma de hospedagem.

Resumindo, providencie os materiais e ferramentas que serão necessários para a realização daquilo que você planejou.

6. Crie!

Depois de planejar, é hora de criar! A criação dos treinamentos varia muito conforme os objetivos, metodologias e formatos utilizados. Você pode lançar mão de uma série de formatos, como:

  • Criação de videoaulas
  • Criação de slide shows
  • Palestras
  • Dinâmicas
  • Jogos interativos
  • Aulas ao vivo
  • Entre outros

Não tenha medo de inovar e sempre busque o formato que mais engaja os colaboradores.

CTA-indicadores-de-treinamento

Viu como não é difícil criar um treinamento? Depois dessas etapas de planejamento e criação, basta aplicar os treinamentos e ficar de olho nos indicadores, sempre buscando melhorias e amarrando pontas soltas. Mas esses 6 passos não são tudo. Separamos 4 dicas que você não pode deixar de saber para que seus treinamentos realmente gerem resultado. Quer saber quais são? Confira a seguir!

4 Dicas para montar seu treinamento

1. Não tenha medo de inovar

Quando se trata de treinamentos empresariais, há muitas possibilidades de formatos, técnicas, ferramentas e conteúdos. Você pode combinar diferentes ferramentas e formatos, dando opções aos seus alunos e respeitando os diferentes estilos e perfis. Por isso, é importante não se limitar e sempre pensar em novas formas de transmitir conhecimento. Por exemplo:

Videoaulas

Videoaulas gravadas (assíncronas) são um dos formatos mais utilizados em treinamentos corporativos. A vantagem é que o colaborador pode assistir na hora em que for mais conveniente (quando a agenda permitir) pausar ou voltar em algum ponto do vídeo se houver necessidade etc. Quando se trata dos aspectos técnicos desse formado, preste atenção em pontos como:

  • Boa captação de imagem e áudio
  • Ambiente visualmente adequado
  • Ambiente sem ruídos
  • Bom enquadramento

Temos um kit sobre como fazer videoaulas incríveis, vale a pena conferir para entender todos os aspectos de uma boa videoaula.

kit como fazer videoaulas incríveis

Videoaulas ao vivo

Videoaulas ao vivo (síncronas) são as que os alunos assistem em tempo real, o que possibilita interação, perguntas em tempo real e contribuição dos aprendizes. Nesse caso, não há pós-produção, com cortes e outras edições. Mas o ponto positivo é que aulas ao vivo engajamento do que as gravadas.

Podcasts

Podcasts são cada vez mais populares no mundo todo. O formato caiu no gosto das pessoas pela vantagem de poder ouvir facilmente e a qualquer hora, enquanto está no trânsito, indo para o trabalho, na academia, realizando trabalhos domésticos ou até enquanto trabalha, dependendo da atividade desempenhada.

Aprender enquanto ouve em momentos oportunos é uma excelente forma de adquirir conhecimento. Portanto, não deixe de incluir podcasts no seu treinamento, sejam eles produzidos internamente ou podcasts de terceiros. Outra opção válida é aproveitar materiais em vídeo ou texto e transformá-los em áudio.

Screencasts

Um screencast é a gravação da tela de um computador, e é comum em tutoriais de utilização de software ou gravação de apresentações de PPTs. Esse recurso é muito útil nos mais diversos tipos de treinamento, especialmente para ensinar a utilizar ferramentas avançadas (como Excel ou Power B.I).

Hoje, o Windows oferece a opção de gravar a tela sem a necessidade de aplicativos de terceiros. Basta pressionar as teclas Windows + G e iniciar a gravação. Já no Mac, é possível gravar a tela por meio do QuickTime facilmente.

Os resultados são vídeo-tutoriais muito didáticos que podem ser acessados sempre que o colaborador tiver alguma dúvida.

E-books

E-books são outra excelente forma de ensino. Diferentemente dos livros tradicionais, os e-books são mais curtos, diretos e com texto mais fácil de compreender. Esses materiais exigem um pouco mais de atenção e foco, mas ainda assim são uma boa alternativa para aprofundamento do conteúdo e material complementar para download.

2. Busque especialistas no tema

É muito importante que um treinamento possua a participação de um especialista no assunto. Esse especialista não precisa necessariamente ser o condutor. Você pode, por exemplo, convidar pessoas que possuem conhecimento no assunto, entrevistá-los e disponibilizar a entrevista para os colaboradores ou criar uma sessão para interações e debate, após os alunos assistirem os conteúdos mais teóricos.

Os especialistas também podem atuar como consultores e revisores no treinamento, para garantir que todo o conteúdo disponibilizado contém informações corretas. Ou ainda, o especialista pode ser o próprio instrutor, como é mais comum. Tudo depende do formato de treinamento que você deseja aplicar.

3. Busque formas de avaliação inovadoras

Avaliações tradicionais, com perguntas e respostas, até podem ser úteis. Mas se você quer tornar o seu treinamento ainda melhor, que tal buscar formas alternativas de avaliação?

Gamificação

Uma forma interessante de avaliar o desempenho dos aprendizes é lançar mão da gamificação. Você pode utilizar, por exemplo, jogos em estilo quiz. Assim, os alunos pontuam quando acertam uma questão e competem entre si pelo pódio. Isso ajuda a engajar os colaboradores, pois o aprendizado se torna mais divertido.

Desafios, missões e dinâmicas

Uma outra forma interessante e inovadora de avaliar o colaborador é propor desafios, missões e dinâmicas. O legal desses métodos é que você pode simular situações que se aproximam daquilo que o colaborador precisa enfrentar no ambiente de trabalho, como trabalho em equipe, pensamento estratégico, proatividade e motivação. Ainda na linha da gamificação, há uma série de jogos que propõe esse tipo de desafio.

Nesse caso, os desafios não possuem apenas objetivo avaliativo, mas também de aprendizado, já que o colaborador pode aprender com os erros, acertos e resultados da dinâmica.

Questionários automáticos

Se você optar por treinamentos virtuais, não será necessário criar questionários depois de cada aplicação, imprimir e depois corrigir manualmente. Na verdade, há plataformas de treinamento que possuem recursos específicos para facilitar o processo avaliativo.

Você pode cadastrar questionários que aparecem automaticamente para o aprendiz assim que ele termina o treinamento. Além disso, o próprio sistema identifica os acertos e erros e entrega os resultados na hora. O aluno, por sua vez, pode refazer o teste ou o treinamento para absorver melhor o conteúdo caso não acerte um número mínimo de questões.

E você será capaz de avaliar o desempenho geral e individual, assim como as questões que mais geraram acertos ou erros e identificar as partes do conteúdo nas quais houve mais dificuldade. Ou seja, a avaliação é um diagnóstico geral da eficiência do treinamento.

4. Tenha boas ferramentas

Sem as ferramentas corretas, é muito mais difícil criar bons treinamentos. Confira uma lista das principais ferramentas que lhe podem ser úteis:

Canva

O Canva é um software online de design para iniciantes. Ou seja, você não precisa ser um designer de experiência (ou mesmo um designer) para começar a criar suas artes no Canva. Ele permite criar apresentações de slides personalizadas, logotipos para a sua universidade corporativa, infográficos e uma série de outros materiais que podem ajudar no ensino. O melhor é que ele possui uma versão gratuita bem completa, vale a pena conferir.

Lumen5

O Lumen5 é um criador e editor de vídeos online. Com ele, você pode facilmente realizar edição básica de vídeos, adicionar imagens, textos, cortar etc. Trata-se de uma excelente opção para quem não domina softwares avançados de edição de vídeo, como o Adobe Premiere ou o Vegas. Assim como o Canva, o Lumen5 também possui versão gratuita.

Plataforma de treinamento

Outra ferramenta que pode ser extremamente útil é uma plataforma de treinamento. Plataformas de treinamento reúnem uma série de recursos necessários para quem deseja aplicar treinamentos empresariais, como:

  • Criação de trilhas de aprendizagem
  • Criação e aplicação automática de testes
  • Geração de certificados
  • Dashboards para acompanhar o desempenho dos alunos
  • Entre outras

Por meio dessas plataformas, é possível criar um ambiente online onde ficam gravados centenas de cursos que podem ser acessados a qualquer momento por você e pelo colaborador.

Você pode produzir conteúdo virtual e disponibilizar diretamente na plataforma ou fazer treinamentos presenciais, gravar e disponibilizar posteriormente. Assim, o material fica registrado para futuros colaboradores que ainda entrarão na empresa e também para que os atuais possam revisitar o material para não esquecer o conhecimento adquirido ou tirar dúvidas.

Nós temos um post exclusivamente dedicado a esse tema. Leia agora para descobrir tudo o que uma plataforma de treinamento pode fazer pela sua empresa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários
Show Buttons
Hide Buttons