Como criar uma universidade corporativa (UC)

Sabemos que encontrar profissionais capacitados do jeito que a organização precisa pode ser uma tarefa difícil e, algumas vezes, impossível. Por isso, em muitos casos a melhor saída é formar colaboradores internamente por meio de uma universidade corporativa. Mas aí surge a dúvida: como criar uma universidade corporativa? Por onde começar?

Se você está procurando a resposta para essas perguntas, acabou de chegar ao texto certo. Siga a leitura e descubra como criar uma universidade corporativa do zero em 7 passos.

Como criar uma Universidade Corporativa?

Implantar uma Universidade Corporativa não é nenhum bicho de sete cabeças, mas precisa ser feito com muita atenção e dedicação. Por isso, separamos alguns passos que você deve seguir ao implantar a sua.

1. Reconhecer o cenário atual da empresa

O ponto inicial do projeto é estabelecer o propósito da UC, isto é, o seu objetivo principal.

Dependendo do número de colaboradores na empresa e do valor que ela estiver disposta a investir, as proporções e objetivos da UC irão variar. Empresas com muitas filiais podem querer desenvolver um projeto como esse para padronizar o treinamento dos colaboradores em todas as unidades ou franquias, enquanto outras organizações podem querer formar as equipes em habilidades específicas relacionadas ao negócio.

De qualquer forma, como o investimento na Universidade Corporativa será limitado a um orçamento, é recomendável tê-lo em mente para decidir qual será a dimensão da UC, ao invés de planejar todo o projeto para só então validar o orçamento.

Outra dica para avaliar o cenário da sua empresa é fazer um benchmarking e compará-la com outras organizações do mercado, verificar como elas tratam a educação de seus colaboradores e, se for o caso, como funciona a Universidade Corporativa delas. Desse modo, você saberá como os seus semelhantes estão fazendo e terá ideia de como deve fazer na sua empresa.

Benchmarking de treinamento e desenvolvimento

2. Planejar a estrutura e a organização da UC

Agora que você já tem ideia dos objetivos e dos recursos que estarão disponíveis para a Universidade Corporativa, já pode começar a planejá-la mais detalhadamente.

É preciso planejar os cursos que serão ofertados na Universidade, se eles serão terceirizados ou produzidos internamente e, se este for o caso, quem serão os instrutores e os responsáveis pela produção (edição, design, captação de áudio e imagem etc.).

Na maioria das UCs, os próprios colaboradores são os responsáveis pelas aulas, mas pode ser interessante convidar palestrantes ou especialistas da área em algumas ocasiões.

A vantagem de contar com instrutores internos, porém, é que isso estreita os laços entre quem está aprendendo e quem está ensinando, pois ambos convivem no mesmo ambiente e enfrentam os mesmos problemas. Dessa forma, os estudantes sentem que o conteúdo é mais relevante e tendem a aprender mais.

Leia também  Como medir os resultados de uma Universidade Corporativa

Outro ponto a se pensar é a organização dos cursos dentro da UC. Muito provavelmente você terá diferentes trilhas de aprendizagem de acordo com cada perfil de colaborador, como trilhas para a liderança, para os vendedores, para os times de produto, para o pessoal administrativo etc. Tudo isso precisa ser esquematizado de uma maneira clara, dividido por escolas, por exemplo.

3. Escolher uma plataforma LMS

A plataforma LMS (Sigla para Learning Machine System, ou, em português, Sistema de gestão do Aprendizado) é o coração da Universidade Corporativa. Sem ela, nada acontece. Com ela, o gestor pode gerenciar o desempenho dos colaboradores matriculados, e estes podem ter acesso aos cursos, aprender e interagir com colegas de equipe.

Por isso é tão importante escolher bem a plataforma que irá hospedar a sua UC.

Frente à variedade de opções no mercado, resolvemos separar alguns aspectos que você deve avaliar ao escolher a sua solução:

  • Se a plataforma oferece indicadores de desempenho dos colaboradores;
  • Se há possibilidade de hospedar vários cursos ao mesmo tempo (para equipes diferentes);
  • Se é possível personalizar o domínio e as cores da página;
  • Se há suporte a diferentes formatos de conteúdo (vídeos, PowerPoints, questionários etc.);
  • Se há limite de usuários;
  • Se o custo benefício é vantajoso.

Pense com calma e analise as opções que melhor se adequam com a realidade da sua empresa, com o porte e as necessidades que você tem no dia a dia.

4. Considerar oferecer metodologias de aprendizagem diferentes

As metodologias de aprendizagem ativa estão cada vez mais presentes nas salas de aula, e nas Universidades Corporativas não poderia ser diferente.

O que faz tanto sucesso nessas metodologias é que, ao invés de considerar os alunos como meros espectadores, essas metodologias colocam os estudantes como protagonistas do seu processo de aprendizagem. E isso faz toda a diferença.

Segundo um estudo do NTL Institute, os alunos aprendem de 70 a 90% do conteúdo quando assumem uma postura ativa, enquanto alunos com postura passiva aprendem 50% ou menos.Aprendizagem ativa e a performance do aluno

Que tal se os colaboradores da sua empresa aprendessem quase todo o conteúdo oferecido na Universidade Corporativa? Certamente o retorno sobre o investimento seria muito maior, né?

Mas para isso se efetuar na prática, é necessário primeiro conhecer quais são as metodologias ativas. Trouxemos aqui as mais conhecidas:

  • Peer instruction: o peer instruction, ou instrução aos pares, é uma metodologia baseada na interação entre duplas para tornar a aprendizagem mais atrativa e fluida. Com base no desempenho dos alunos respondendo a perguntas de múltipla escolha, o instrutor percebe quais conceitos foram mais ou menos compreendidos e retoma os pontos de dificuldade.
  • Gamification: a gamificação (do inglês game, que significa jogo) traz elementos dos jogos para enriquecer as experiências de aprendizagem e atrair a atenção dos alunos. Como a característica da competitividade já está presente em todos os seres humanos, essa técnica apenas aproveita a deixa para um bom objetivo.
  • PBL (Problem Based Learning): Problem Based Learning, também conhecida como Aprendizagem Baseada em Problemas, é uma metodologia ativa que busca dar autonomia aos alunos para que eles busquem o conhecimento a partir de uma situação problema. Em muitos casos, o instrutor passa uma charada ou uma pergunta complexa para que os alunos resolvam em grupos ou sozinhos — na UC, você pode mostrar um problema que aconteceria no dia a dia do colaborador (como um cliente insatisfeito ou um prazo muito curto para realizar uma tarefa) e pedir que ele o resolva.
Leia também  9 Vantagens de ter uma Universidade Corporativa na sua empresa

É lógico que você não precisa aplicar todas essas metodologias em todos os cursos e aulas da sua UC, mas é interessante analisar o contexto das aulas e inseri-las onde fizer mais sentido, sozinhas ou combinadas.

Uma dica legal é que todas essas metodologias podem ser potencializadas e se tornar ainda mais interessantes com o uso da tecnologia. Algumas plataformas LMS do mercado contam com o recurso da gamificação, por exemplo, onde os colaboradores recebem pontos a cada atividade (ou missão) completa, e participam de um ranking com os colegas de equipe.

Além disso, a instrução aos pares e a aprendizagem baseada em problemas podem ser mais divertidas por meio dos fóruns online, que ajudam os alunos a se comunicarem, possibilita que compartilhem links com materiais relacionados à pesquisa e cria um canal exclusivo para os assuntos da Universidade Corporativa.

5. Produzir o conteúdo

A etapa de produção de conteúdo é uma das mais trabalhosas da Universidade Corporativa, e também uma das mais importantes. Afinal, todo o esforço para criá-la e mantê-la funcionando é justificado pela aprendizagem dos colaboradores, e se o conteúdo não for de qualidade, a aprendizagem não acontece.

Como comentamos no passo 2, na maioria das organizações os próprios colaboradores vão ajudando na produção de conteúdo, cada um contribuindo com o que sabe.

Os líderes, por exemplo, podem ensinar conhecimentos técnicos aos colaboradores da equipe, enquanto os colaboradores mais antigos podem ensinar o processo de trabalho aos calouros. Tudo isso pode ser gravado no ambiente da empresa ser disponibilizado na plataforma LMS para o restante da equipe.

Atente-se para garantir que o conteúdo oferecido aos colaboradores seja focado em questões mais práticas, úteis e relevantes para o dia a dia deles. O propósito da Universidade Corporativa nunca deverá ser sobrecarregar os alunos com muita teoria e pouca prática, e sim justamente o contrário.

Porém, não basta só produzir o conteúdo para os cursos e deixar lá para sempre: também é preciso mantê-lo atualizado. Então, não deixe de fazer uma revisão periódica nas aulas da Universidade Corporativa e incluir novos conteúdos caso se faça necessário.

Leia também  Como fazer Desenvolvimento de Competências em uma empresa?

6. Incentivar a participação dos colaboradores

Tendo a Universidade Corporativa preparada, só falta mobilizar os colaboradores para fazerem parte dela!

Além de divulgar o projeto na empresa, sugerimos que você promova reuniões individuais entre os colaboradores e seus líderes antes do início dos cursos. Nesses encontros, os líderes devem expressar o que esperam que o colaborador alcance com o curso e mostrar como isso irá contribuir com suas atividades do dia a dia.

Dessa forma, o momento de aprendizagem terá um significado real para os estudantes, que muitas vezes não sabem por que estão sendo treinados.

7. Mensurar resultados

Outro aspecto importante sobre criar uma Universidade Corporativa é mensurar os resultados dela ao longo do tempo, sejam eles quantitativos ou qualitativos. Quando temos feedback sobre algo, automaticamente já sabemos o que está funcionando e o que não está funcionando, e com base nessas informações podemos melhorar ainda mais.

Para conseguir esse feedback sobre a sua universidade corporativa, além de calcular o retorno sobre o investimento (ROI), você pode medir os resultados qualitativos sentidos no dia a dia por meio de avaliações de reação.

O Modelo de Avaliação de Kirkpatrick, por exemplo, pode ser usado para avaliar os programas de treinamento a nível de resultados, comportamento, aprendizagem e reação. Em nosso post sobre avaliação de reação, nós explicamos o que perguntar para investigar cada nível de avaliação, dê uma olhada!

Acreditamos que se você seguir esse passo a passo, a implantação da Universidade Corporativa na sua empresa será um sucesso!

Se quiser saber mais detalhes sobre isso, como as vantagens de ter uma UC, exemplos de cases de sucesso e ainda algumas dicas extras, não deixe de conferir o Guia Completo da Universidade Corporativa.

E-book Universidade Corporativa CTA

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *